Logotipo Dedalus   Logotipo ABCD
                         
Identificação       Preferências   Catálogos   Fale Conosco   Encerrar Sessão  
Buscas   Resultados   Buscas Anteriores   Meus Docs.   Histórico   Vocabulário   Ajuda
 
  Adicionar Reg. Meus Docs.  |  Localizar  |  Salvar / E-mail  

Registro Completo

Escolher formato: Padrão Ficha Formato Reduzido Nomes MARC Campos MARC
No. Registro   002832865
Tipo de material   TESE
Entrada Principal   LinkGouveia, Gisele Rodrigues
Título   LinkDetecção da expressão dos genes associados à resistência múltipla à droga, OCT1 e MDR1 e do gene BCL2 em linfoma difuso de grandes células B.
Imprenta   São Paulo, 2016.
Descrição   226 p.
Idioma   Português
Nota Tese/Diss   Tese (Doutorado)
Resumo   O linfoma difuso de grandes células B (LDGCB) é o subtipo de linfoma mais comum em países em desenvolvimento. Entretanto, apesar de sua prevalência e importância, ainda existem poucas publicações com dados epidemiológicos para a população brasileira. Conhecer os fatores de prognóstico é imperativo para identificar os pacientes que responderão melhor ao tratamento, além de permitir sua individualização terapêutica. Alguns estudos demonstraram que pacientes com o mesmo Índice Internacional de Prognóstico (IPI) podem apresentar diferentes sobrevidas, justificando a necessidade de identificar novos marcadores biológicos de prognóstico. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto prognóstico da expressão dos genes BCL2, MDR1 e OCT1, de suas respectivas proteínas e da translocação t(14;18), nos desfechos de resposta completa (RC), sobrevida global (SG), sobrevida livre de doença (SLD) e sobrevida livre de progressão (SLP) em pacientes com LDGCB. Foram avaliados de forma retrospectiva 98 pacientes com LDGCB de novo tratados com R-CHOP. A expressão gênica foi avaliada por PCR em Tempo Real com RNA extraído de amostras parafinadas. A expressão proteica foi avaliada pelo método de imuno-histoquímica. A mediana de idade foi de 54,5 anos e 49 pacientes (50%) eram do sexo masculino. Sessenta e quatro pacientes (85,3%) obtiveram RC, com uma mediana de acompanhamento de 2,66 anos. A expressão mediana de BCL2, MDR1 e OCT1 foi 6,27; 0 e 24,49, respectivamente. Não encontramos impacto
  prognóstico da expressão do gene BCL2 na RC (p=0,277), SG (p=0,068) e SLD (p=0,860). Porém, a expressão de BCL2 >= à mediana associou-se à menor SLP (p=0,040). Encontramos associação entre expressão do gene OCT1 >= à mediana e pior prognóstico para SG (p=0,010) e SLP (p=0,016). Porém, não observamos impacto prognóstico da expressão de OCT1 para RC (p=0,464) e SLD (p=0,717). Não houve associação entre expressão do gene MDR1 e das proteínas BCL-2, Pg-p e OCT-1 com o prognóstico dos pacientes em relação à RC, SG, SLD e SLP. O número de sítios extralinfonodais (p=0,004 e p=0,005), estádio clínico (p < 0,001 para ambas), IPI (p < 0,001 para ambas) e nível de DHL (p=0,010 e p=0,008) apresentaram impacto prognóstico na SG e SLP, respectivamente. Quando os pacientes foram estratificados pelo estádio, IPI e idade, o grupo com expressão de OCT1 >= à mediana e IPI intermediário-alto ou alto risco apresentou pior SG (p=0,048) e o grupo com idade >= 60 anos e expressão de OCT1 >= à mediana apresentou pior prognóstico para SG e SLP (p=0,025 para ambas). Em conclusão, a expressão de MDR1 não apresentou impacto no prognóstico de portadores de LDGCB, porém, a expressão do gene BCL2 >= à mediana foi associada a menor SLP. Além disso, a hiperexpressão de OCT1 apresentou valor preditivo de prognóstico para a SG e SLP em pacientes com LDGCB tratados com R-CHOP
Nota Local   Distúrbios do Crescimento Celular, Hemodinâmicos e da Hemostasia
Departamento   MCM CLINICA MEDICA
Assunto   LinkLINFOMA
  LinkEXPRESSÃO GÊNICA
  LinkREAÇÃO EM CADEIA POR POLIMERASE
  LinkPROGNÓSTICO
  LinkSOBREVIDA
  LinkPROTEÍNAS PROTO-ONCOGÊNICAS
  LinkGENES ESTRUTURAIS
  LinkFATORES BIOLÓGICOS
  LinkFATORES DE CRESCIMENTO
  LinkBRASILEIROS
Assunto   LinkGene expression Proveniente da Base Teses Digitais da USP
  LinkLymphoma large B-cell diffuse Proveniente da Base Teses Digitais da USP
  LinkPrognosis Proveniente da Base Teses Digitais da USP
  LinkReal-time polymerase chain reaction Proveniente da Base Teses Digitais da USP
  LinkSurvival Proveniente da Base Teses Digitais da USP
Autor Secundário   LinkPereira, Juliana
Localiz.Eletrônica    Clicar sobre o botão para acesso ao texto 
   Clicar sobre o botão para acesso ao Currículo Lattes 
Resumo/Outros   The diffuse large B-cell lymphoma (DLBCL) is the most common lymphoma subtype in developing countries. However, despite its prevalence and importance, there are still few publications showing the epidemiological data of the Brazilian population. Knowing the prognostic factors is imperative to identify patients supposed to better respond to treatment, as well as to allow their therapeutic individualization. Some studies have shown that patients with the same International Prognostic Index (IPI) may present different survival rates, thus justifying the need to identify new prognosis biomarkers. The aim of this study was to assess the prognostic impact of the genes BCL2, MDR1 and OCT1 and their respective proteins and t (14; 18) translocation on the complete response (CR), overall survival (OS), disease-free survival (DFS) and progression-free survival (PFS) of patients with DLBCL. We retrospectively assessed 98 patients with de novo DLBCL treated with R-CHOP. The gene expression was assessed through real-time PCR using RNA extracted from paraffin samples. The protein expression was assessed through the immunohistochemistry method. The median age was 54.5 years; 49 patients (50%) were men. Sixty-four patients (85.3%) had CR and median follow-up 2.66 years. The median expression of BCL2, MDR1 and OCT1 was 6.27; 0 and 24.49, respectively. We did not find the prognostic impact of the BCL2 gene expression on CR (p = 0.277), OS (p = 0.068) and on DFS (p = 0.860). However, the
  expression of BCL2 >= the median was associated with the lower PFS (p = 0.040). We found association between OCT1 gene expression >= the median and worse prognosis for OS (p = 0.010) and PFS (p = 0.016). However, we did not find the prognostic impact of OCT1 expression on CR (p = 0.464) and DFS (p = 0.717). There was no association between the MDR1 gene expression and the BCL-2, Pg-p and OCT-1 proteins, and the patients’ prognosis regarding CR, OS, DFS and PFS. The number of extranodal sites (p = 0.004 and p = 0.005), the clinical status (p = 60 years and expression of OCT1 >= the median presented worse prognosis for OS and PFS (p = 0.025 for both). Therefore, the MDR1 expression had no impact on the prognosis of DLBCL carriers. However, the expression of the BCL2 gene >= the median was associated with lower PFS. In addition, the OCT1 hyperexpression presented a predictive prognosis value for OS and PFS in patients with DLBCL treated with R-CHOP
 
Acervo Geral   Todos os itens
Itens na Biblioteca   FM-Fac. MedicinaLibrary Info
Unidade USP   FM -- FACULDADE DE MEDICINA

Escolher formato: Padrão Ficha Formato Reduzido Nomes MARC Campos MARC


Encerrar Sessão - Preferências - Fale Conosco - Ajuda - Ex Libris
Buscas - Resultados - Buscas Anteriores - Catálogos